Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Página Inicial Reitoria Notícias Aluna do curso de Geoprocessamento fica em primeiro lugar com trabalho sobre mapeamento de primatas no nordeste
Ações do documento
23/09/2013 às 08h21

Aluna do curso de Geoprocessamento fica em primeiro lugar com trabalho sobre mapeamento de primatas no nordeste

— registrado em:

Érica Alves foi destaque no V Seminário de Pesquisa e V Encontro de Iniciação Científica

A aluna do Curso Superior de Geoprocessamento do IFPB, Érica Alves de Araújo Silva, ficou em primeiro lugar no V Seminário de Pesquisa e V Encontro de Iniciação Científica, realizados em Brasília no período de 10 a 12 de setembro na sede do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). O evento teve apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico(CNPq). Foram inscritos mais de oitenta trabalhos de todo o país.

Érica Alves que é aluna do 6º período e atua como monitora na disciplina de tratamento digital de imagem conquistou o reconhecimento pelo trabalho “Geoprocessamento aplicado ao Plano Nacional de Conservação de primatas do Nordeste”. A estudante teve a orientação do professor do Curso de Geoprocessamento do Instituto Federal da Paraíba, Ridelson Farias de Sousa, e do professor Marcos Fialho, orientador do ICMBio.

O trabalho utilizou imagens de satélite para mapear áreas propicias a soltura de duas espécies de primatas ameaçadas de extinção na Mata Atlântica: Alouatta belzebul (Guariba-de-mãos-ruivas) e Sapajus flavius (Macaco-prego-galego). O mapeamento atingiu os estados do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas.  “O objetivo dessa análise foi dimensionar e mapear as áreas permeáveis a estas espécies para que sejam soltas e dessa forma reduzir os conflitos socioambientais como a caça e o tráfico desses animais” explicou Érica.

Segundo o professor Ridelson, o IFPB forneceu todo o suporte científico e tecnológico para que a aluna desenvolvesse a etapa de geoprocessamento e chegasse ao resultado final satisfatório. "O resultado mostra ainda que os recursos discentes do curso de geoprocessamento estão no mesmo patamar de conhecimentos técnico-científicos de qualquer uma outra instituição de ensino e pesquisa do país". 

Professor Ridelson

O trabalho está sendo utilizado como base para a monografia da aluna e já foi submetido para outros dois eventos (VIII CONNEPI e VIII Colóquio Brasileiro de Ciências Geodésicas). Conheça um pouco mais sobre o ICMBio nesse link.

Ascom do IFPB