Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Página Inicial Reitoria Notícias Programa Eu e o Mar promove palestra sobre o Probordo
Ações do documento
01/06/2011 às 08h43

Programa Eu e o Mar promove palestra sobre o Probordo

— registrado em:

Serão abordados assuntos pertinentes a participação brasileira no contexto da pesca mundial de pescados

 

O Programa Eu e o Mar do Instituto Federal de Educação da Paraíba (IFPB) promove nesta quinta-feira (02), no Teatro Santa Catarina, em Cabedelo, às 19h, a palestra intitulada "O Probordo: Programa Nacional de Observadores de Bordo da pesca de atuns e afins".

A palestra será proferida pelo Engenheiro de Pesca Cezar Augusto Freire Fernandes que irá discorrer sobre os dados da pesca, a participação brasileira no contexto da pesca mundial de atuns e afins, a gestão do Probordo via Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA),  atividade do observador de bordo, as características das pescarias (Longline),  tecnologia de pesca, beneficiamento do pescado a bordo, ecologia e biologias das espécies capturadas.

O público alvo do evento são os alunos e professores dos Cursos Técnicos em Pesca e Meio Ambiente e os alunos do Centro de Referência em Pesca e Navegação Marítima, bem como os seus gestores.

A diretora de implantação do Centro de Referência em Pesca e Navegação Marítima (CRPNM), Margareth Rocha, ressalta a importância da presença do gestor em encontros como esse. “A presença dos gestores é de fundamental importância para uma vez mais adquirirmos conhecimentos que sem dúvida serão importantes para o nosso aprendizado”.

O Probordo é um programa institucionalizado pelo Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) desde 2004, através da Coordenação Geral de Monitoramento e Informações PesqueiraS, que junto com as instituições parceiras, como a Universidade Federal Rural de Pernambuco fomenta o treinamento e a gestão de profissionais (engenheiros de pesca, biólogos e oceanógrafos) para realizarem trabalhos à bordo de embarcações pesqueiras estrangeiras que atuam sob arrendamento no Brasil.
Uma exigência da Comissão Internacional de Conservação do Atum do Atlântico e do Decreto de Lei 4.810 de 19 de agosto de 2003, formulada pela antiga  Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca exige permanentemente a presença de um observador de bordo  embarcado em barcos estrangeiros durante os cruzeiros de pesca.

O observador de bordo não atua como agente fiscal, no entanto tem obrigatoriedade de registrar todos os dados da pesca, espécies capturadas e produtividade, tecnologia de pesca, e amostragem biológica (espinhos, vértebras, estômagos, gônadas) para pesquisa acerca da biologia e da ecologia das espécies.

Os organizadores do evento lembram que o Brasil precisa da política de arrendamento para garantir quotas de capturas para o país, uma vez que não possui uma frota atuneira específica que possibilite grandes volumes de capturas. Dessa forma, o trabalho do observador de bordo é de extrema importância para se conhecer os dados de pesca, absorção de tecnologia, conhecer a distribuição das espécies e sua biologia.

 Ascom do IFPB com informações da professora Margareth Rocha